Photography as a path towards memory

[EN] Each day that passes by it seems more clear to me that I'm trying, through photography, to access memory. A memory that somehow I do not seem to have. A memory almost empty of both simple or significant moments from my childhood.

When I look at what I consider to be the relevant work that I have been creating, a small part when compared to the chaos that I produce, one single, global concept seems to emerge, which somehow encompasses the work which is relevant to me. And that concept is Memory. Family memory, my memory. A quest for memory that seems to be undertaken at a time discretely but also obsessively.

My father's death seems to be the milestone in the cristalization and organization of that search. A sort of catalyst for the internal reaction which, little by little, has been pushing me towards specific images and sensations.

It is by no chance that one of the first projects to fulfill me with its questions, with the personal confrontations, and with the images themselves, was the project on Gilberto. I felt that it had to do with difficulties, with detachment, with solitude, but always accompanied by dignity. The dignity of the human being, of the simple person, at a time both conscientious and dreamy.

[PT] Cada vez mais me parece que procuro, com a fotografia, aceder à memória. Uma memória que pareço nunca ter tido, uma memória muito vazia de acontecimentos, de momentos simples ou marcantes.

Quando olho, com olhos de ver, para a pouca fotografia que sinto poder aproveitar no meio do caos que vou produzindo, parece emergir um único conceito global, que de alguma forma abrange, ou aglutina, toda essa produção mais 'importante' para mim. E esse conceito é o da Memória. Da memória de família, da minha memória, mas sobretudo de uma memória que pareço procurar discretamente mas ao mesmo tempo de forma quase obsessiva. 

A morte do meu pai parece ser o elemento marcante numa certa cristalização e organização dessa procura. O catalizador da reacção interna que, aos poucos, me foi empurrando para determinadas imagens, para determinadas sensações. 

Não será por acaso que um dos primeiros trabalhos que mais me preencheu com as suas questões, com os confrontos pessoais, e com as imagens em si, foi o do Gilberto. Senti que tinha a ver com dificuldades, com despreendimento, com solidão, mas sempre acompanhado pela dignidade. Do ser humano, da pessoa simples, simultaneamente consciente e sonhadora.

Thread of life
  /  Permalink  /